Blog

Se você ainda não sabe quais são seus dons ou não teve oportunidade de utilizar seus talentos, acompanhe as dicas pra aprender a identificá-los

04/07/2019

O que você está fazendo com seus talentos?

Inês Telma

O que você tem feito dos seus dons, dos seus talentos, das suas habilidades? Você tem construído coisas legais? Você percebe a diferença de uma missão para um trabalho?

Você já deve ter falado ou ter ouvido alguém falar assim: – Ah, eu tenho uma grande missão. Já ouviu? Chega a dar inveja nos outros: – Nossa, olha, o fulano tem aquela missão, eu nem tenho uma missão, se tenho, não sei qual é… Tem sim! Todo mundo tem uma missão! Você veio fazer algo, todos nós temos alguma coisa pra fazer no mundo. Aquela ideia de que existem grandes e pequenas missões também é equivocada. O algo a ser feito é a nossa troca com o universo, é aquilo que aprendemos em outros tempos e que devemos colocar em prática nessa vida para auxiliar na construção de um mundo melhor. Esse construir um mundo melhor vem de fazer aquilo que você sabe fazer de melhor e assim colaborar para o bem-estar das pessoas. Quando você coloca em prática suas habilidades está cumprindo sua missão.

Podemos dizer que seu talento tem relação direta com aquela força que te move a começar o dia. Você fala assim: – Nossa, eu acordei tão animado hoje. Esse estado mental e emocional que te deixa animado vem da satisfação por ter um trabalho a ser feito, de ter algo pra fazer que não cause stress, cansaço, desgaste mental e emocional. Pode ser participar de uma reunião de trabalho, pode ser um trabalho que você queria ter se dedicado no passado e agora está conseguindo realizar. É o que te faz ficar até sem dormir, entusiasmado, mas dá prazer.  O que te deixa assim é aquilo que você veio fazer.

Um trabalho chato, que você considera maçante, está fora de cogitação. Trabalho que vira uma rotina enfadonha não tem nada a ver com missão. Isso tem relação com trabalho, no sentido mais negativo, aquele que você se obriga a cumprir por necessidade ou comodismo, é como se estivesse escravizando você mesmo. Essa é a grande diferença. Aí está o ponto. Aquilo que você faz por obrigação, simplesmente por obrigação, só pra ganhar dinheiro, aquilo que você faz sem prazer, sem utilizar suas habilidades, está longe de missão.

Provavelmente você já passou pela situação de se cansar e nem perceber. É quando você fica horas fazendo alguma atividade e nem se dá conta do tempo… Uma atividade assim te move, mexe com seu espírito, mexe com sua alma. No seu íntimo você pensa: – Nossa, eu consegui… Conseguiu o quê? Conseguiu fazer aquele desenho maravilhoso, conseguiu fazer aquela comida deliciosa, conseguiu preparar uma palestra, conseguiu dar uma aula muito boa, conseguiu isso, conseguiu aquilo… É um estado de felicidade. Quando você consegue realizar algo usando suas habilidades o resultado sempre é satisfatório e você torna o seu lugar, o seu momento melhor. Isso é melhorar.

Nós só podemos ter certeza de nossos talentos se ele nos trouxer, de alguma forma, satisfação. Se não traz satisfação, se você faz alguma coisa obrigado, significa que você não está despertando seu ser missionário. Quando nossos talentos estão sendo utilizados temos gana de acertar, de vencer um obstáculo, de melhorar nossa performance. É como se estivéssemos atrás da perfeição, mesmo sabendo que ela não existe. As pessoas que se dedicam ao esporte, por exemplo. Tem atleta que passa anos para acertar um movimento na ginástica artística ou pra melhorar a própria marca em dois, três segundos no atletismo, no remo… Na literatura, uma página pode levar meses para ficar da forma pretendida. Um cientista pode levar décadas estudando, buscando a cura ou o alívio para alguma doença. Mesmo que o objetivo não seja alcançado, não importa. O caminho, a busca traz satisfação. Nesses exemplos, todos diriam: – Valeu a pena tentar, faria tudo de novo. Ou: – Valeu a pena esperar.

Da mesma forma, se você está trabalhando em algo que te causa muita raiva ou muita chateação, você está muito longe disso que eu estou dizendo. Mesmo que esteja aposentado ou desempregado, por exemplo, se você não viveu isso, não sentiu a satisfação de usar seus talentos, ainda dá tempo. Você pode construir coisas, mesmo que não seja profissionalmente. Essa troca com o universo não termina. Você está no planeta Terra, usufrui da água, do ar, da terra, do espaço, você usufrui de tudo aqui… E qual foi e continua sendo a sua colaboração? O que você fez e faz de alma? Sabe, falo daquilo que move sua alma, que te faz pensar: – Vai lá e faz. Então você realiza o que se propôs a fazer e na hora de se deitar pensa assim: – Nossa, eu fiz, eu consegui, eu cumpri, eu realizei, eu construí. Quando você fala isso e isso preenche a sua alma, preenche um vazio interior, sim, você está no caminho certo.

Tem pessoa que adora essa sensação, de tanto que usa as próprias habilidades, de tanto que gosta de fazer, de produzir. Essa pessoa, está muito na missão dela, está muito de encontro àquilo que veio fazer e por isso quer fazer mais e mais. Ela sabe que quanto mais fizer, melhor vai ficar naquilo. O que traz a excelência é a prática, a experiência, o fazer de novo, fazer novamente, tentar outra vez.

A minha sugestão é: se você ainda não está nesse caminho, se você trabalha em alguma coisa que não gosta, se já saiu do mercado de trabalho e nunca sentiu o que é se realizar, dá tempo. Procure descobrir seus talentos e utilize seus dons em benefício de si mesmo, da sua família, dos seus amigos, das pessoas que cruzam seu caminho e recebem a energia que emana do seu trabalho, do nosso planeta. É um preenchimento de alma. Seu talento é o que te une ao divino e que te permite afirmar: – Eu sei fazer, eu vou lá e faço. Construir alguma coisa, isso é muito importante.

Vamos supor que você nem precise trabalhar ou já cumpriu seu tempo de trabalho e agora pode curtir mais a vida. Se você vai lá e faz algo para o mundo, ganhando ou não, se você realiza alguma coisa que te traz satisfação pessoal e que beneficia aqueles que estão ao seu redor, está usando seu potencial. Esse potencial que você tem e traz de experiências passadas é o que você veio fazer aqui… A gente tem essa troca pra fazer com o universo, a gente tem isso pra dar também.

Reflita sobre o que você pode fazer de bom. Eu gosto muito de dar o exemplo da festa. Imagine: um amigo vai dar uma grande festa, mas uma festa enorme, com 500 convidados. Acontece um imprevisto e todas as pessoas que trabalhariam naquela festa não irão mais… Seu amigo, no desespero, reúne as pessoas que ele confia, você está nesse meio, e fala assim, olhando para cada um: – Você pode me ajudar? Só que eu estou muito atrasado, não posso parar pra organizar as coisas, faz o que você sabe fazer. E aí você vai decidir, você vai ver as tarefas que precisam ser feitas e escolher o que você sabe e gosta de fazer. O primeiro a se manifestar fala: – Vou cozinhar, pode deixar. Outro diz assim: – Ah, tá bom, eu lavo louça enquanto você cozinha, eu adoro lavar louça. O outro: – Não, prefiro organizar os convidados na chegada. Lá no fundo: – Vou distrair as crianças. Um outro fala, acompanhado de mais dois: – Eu quero cuidar da música, quero agitar. Cada um escolhe uma coisa: – Eu vou fotografar; – Eu quero filmar; – Eu vou receber as pessoas; – Eu prefiro ajudar na chegada, com os carros; – Eu sirvo as bebidas… Aquilo que você escolheria tem relação com suas habilidades. O que você gostaria de fazer nessa festa que pode ser a vida, a sua vida. É o que se encaixa direitinho em você e que te permite dizer com muita tranquilidade: – Nossa, serve como uma luva. Ou pensa: – É isso que eu queria ter feito e nunca fiz…

Enfiado numa cozinha, indo pro mundo, falando com pessoas, trabalhando com papéis, trabalhando com lazer… O que move você? O que faz com que seu espírito, seu corpo tenha um vínculo muito forte? Você já descobriu o que é? Se você não descobriu ainda, dá tempo! Não importa a sua idade, onde mora, se é casado ou solteiro, se tem problemas que te limitam o tempo. Vai dar tempo de fazer, porque você tem habilidades e carrega essas habilidades com você pra onde quer que vá.

Tem gente que tem uma habilidade tão grande pra consertar coisas dentro de casa e trabalha numa coisa totalmente diferente, com vendas, por exemplo… Essa pessoa está cumprindo sua missão, está usando seus talentos, sabe mexer em tudo, quebrou, está lá, arrumando. Essa pessoa é diferente daquela que sabe arrumar, mas a preguiça não deixa: – Ah, não vou, depois eu vou. Você deve conhecer pessoas que se recusam a fazer coisas por pura preguiça, irresponsabilidade ou negligência. Por exemplo, você tem muita habilidade de chegar numa casa, bater o olho e saber exatamente o que fazer pra organizar a bagunça. A casa pode nem ser sua, pode ser de um amigo que adoraria se você se oferecesse para isso. Contudo, você pensa: – Isso não é problema meu, não tenho que fazer. Sim, realmente, você não é obrigado a fazer, mas dificilmente vai se esquecer que poderia ter feito. No trabalho é a mesma coisa. Você tem uma função, mas surge a oportunidade de fazer algo interessante, mas pensa que vai se expor, que seus colegas vão começar a abusar ou rir de você por algum motivo. E aí você nunca faz, ou porque você não está sendo bem remunerado, ou porque as pessoas não vão reconhecer…

Trabalhar com seus talentos não passa necessariamente por reconhecimento. Quando você faz alguma coisa que é sua ‘praia’, que te move, que te traz alegria, essa é a recompensa. Não importa se ninguém ficar sabendo. Você sabe. É uma conversa entre você e você mesmo, entre você e seus dons. O diálogo que terá é esse: – Nossa, eu dei conta, eu quero mais, eu posso fazer mais. Então você faz mais, capricha mais, idealiza como poderia ser se tivesse mais tempo pra se dedicar. Veja, o que faz por prazer traz bem-estar, traz dinheiro, traz sucesso… Lembrando que sucesso não tem relação com fama, mas com satisfação pessoal, e dinheiro não tem relação com luxo, mas com conforto. Não dá pra não trazer alegria se você está fazendo aquilo que você veio fazer. E você pode ter certeza que o seu espírito vai dar um jeito quando você se dispuser a fazer aquilo que veio fazer, de encaixar você direitinho.

Não tenha má vontade com o mundo, com as pessoas, com você mesmo. Essa má vontade te segura. Você deixa de crescer toda vez que se acomoda, toda vez que fica preso à ideia de recompensa e reconhecimento. Pior ainda quando você não faz achando que as pessoas nunca vão perceber o seu valor. Claro, você não mostrou o se valor! Mostra pro mundo, mostra o que você é capaz de produzir, mesmo que você já tenha encerrado seu momento de produzir, que a gente vê como sinônimo de aposentadoria. Não pense assim: – Já produzi demais, já fiz demais, trabalhei demais… Errado! Você está vivo, enquanto estiver vivo pode fazer mais. Você pode fazer mesmo que não precise de dinheiro. Você precisa trabalhar seus talentos. Pode ser dentro de casa, pode ser entre os amigos, pode ser no seu bairro. Faça aquilo que você sabe fazer. Ofereça essa parte sua que tem a ver com criatividade, com construir coisas, ajuda o mundo a ser um mundo melhor. É falar coisas bonitas, escrever… Seja qual for seu talento, se conseguir utilizá-lo, terá colaborado para um mundo melhor e eu conto com isso.

*Texto adaptado dos vídeos ‘O que você está fazendo com seus talentos?’, de 2/11/2018 (disponível no YouTube)

Posts relacionados

A importância da prioridade

04/07/2019

A importância da prioridade Você já fez sua lista de desejos para 2019? É importante fazer uma lista, colocar em um papel tudo aquilo que deseja, mesmo que […]

Continue lendo

Já pensou que o sofrimento pode te trazer felicidade? Pode ser só o início de uma grande mudança na sua vida.

04/07/2019

Resistência gera sofrimento Inês Telma Hoje vamos falar de algo muito importante: o quanto a resistência gera sofrimento. Sabe por quê? Porque o sofrimento, de alguma forma, é […]

Continue lendo

Sua mente pode te levar pra onde você deseja estar, mas primeiro precisa fazer dela sua grande aliada!

04/07/2019

Sua mente a seu favor por Inês Telma Vamos falar um pouquinho da nossa mente. Gente, a nossa mente é um universo pra ser desbravado e ela pode […]

Continue lendo
QUER FAZER PARTE DA LISTA VIP E RECEBER CONTEÚDOS EXCLUSIVOS?
(16) 99334-0808
Rua E, 120, Recreio Internacional
inestelma@yahoo.com.br